ONI

30as Olimpíadas Nacionais de Informática - Edição 2018

Twitter Facebook Google plus Email Rss

APDSI FCUP UAlg

Patrocínios/Apoios

 

 

Informação 

Índice

Enquadramento 

A ideia de criar umas Olimpíadas Internacionais de Informática para alunos do secundário foi proposta pela primeira vez na 24ª Conferência da UNESCO, em Paris, pelo Prof. Sendov, em 1987. Esta ideia foi concluída no programa da UNESCO no bíenio 1988/89 e em Maio de 1989, a UNESCO iniciou a patrocinou a primeira edição das Olimpíadas Internacionais de Informática (IOI), realizada precisamente em Pravetz, na Bulgária.

As IOI são umas das actuais 6 grandes Olimpíadas Científicas, sendo umas das mais recentes. As outras 5 Olimpíadas são a de Matemática (realizada desde 1959), a de Física (desde 1967), a de Química (desde 1968), a de Biologia (desde 1990) e a Astronomia (1996).

As Olimpíadas Nacionais de Informática (ONI) nascem precisamente com o intuito de poder seleccionar os concorrentes portugueses para as IOI, e de fomentar a informática e a progamação a nível local.

As IOI são organizadas anualmente por um dos países participantes e tipicamente cada país que participa leva uma delegação constituída no máximo por por 4 concorrentes (alunos do secundário) e 2 adultos a acompanhar.

[Voltar ao Topo]

Objectivos 

O principal objectivo das ONI é portanto seleccionar e preparar os concorrentes portugueses que irão participar nas Olimpíadas Internacionais (presentemente são 4 os alunos do secundário que irão ter esse previlégio de representar o país).

Obviamente ao fazer isto também se tem como objectivo promover o gosto pela programação e pelas tecnologias de informação entre os jovens, constituindo um ponto de encontro de âmbito nacional para professores e alunos interessados nestes temas.

Para além de seleccionar a equipa, as ONI promovem a preparação de futuros participantes, proporcionando métodos de treino (ver secção de Mooshak) e organizando estágios de preparação para os melhores participantes (por exemplo, nas edições de 2005, 2006, 2007 e 2008, os 8 melhores participantes tiveram a oportunidade de ter um estágio direccionado para concursos de programação, sendo este dado por professores e ex-concorrentes).

[Voltar ao Topo]

Como funcionam as Olimpíadas? 

As Olimpíadas são um concurso de programação individual. As linguagem permitidas são o C, C++ e Pascal.

As ONI organizam-se em duas fases. Primeiramente temos uma fase de qualificação onde os alunos participam remotamente, tentanto resolver um conjunto normalmente constituído por 2 a 3 problemas. As soluções propostas pelo alunos são avaliadas de forma automática, sendo testado se as suas soluções conseguem produzir respostas correctas para um conjunto de testes secreto. Cada resposta correcta a um teste corresponde a um determinado número de pontos e o resultado de um aluno é a soma dos seus pontos obtidos.

Depois dessa fase, os melhores alunos, num número ainda a definir (provavelmente algo próximo de 30) virão competir na final nacional, onde terão que competir presencialmente, ou seja, todos os finalistas irão deslocar-se para o sítio da final. O sistema de avaliação é análogo ao da fase de qualificação.

Pode acontecer que depois da final nacional não fiquemos logo com os 4 primeiros, mas com um número mais alargado, como nas quatro edições anteriores, onde os 8 primeiros foram convidados para um estágio de preparação onde no final se procedeu à selecção real da delegação portuguesa. Com isso, foi dada formação de base a mais alguns alunos, alguns deles com possibilidade de ainda poder participar, ficando de algum modo precavido o futuro da participação portuguesa nas IOI.

Os problemas propostos são descrições de tarefas que podem ser automatizadas. Geralmente cobrem um vasto leque de áreas de aplicação, sendo sempre fornecido um exemplo de input e o respectivo output correcto. Os problemas são feitos de modo a que a sua compreensão não seja a dificuldade encontrada, mas antes o algoritmo a utilizar. Muitos deles procuram simular o tipo de problemas que poderão ocorrer em situações reais numa empresa. Os problemas variam em grau de dificuldade, desde os simples aos que podem constituir um autêntico desafio. Não deixes de ver os problemas de outros anos para ficar com uma ideia mais correcta do tipo de problemas que costumam sair.

[Voltar ao Topo]

Quem pode participar? 

Podem participar todos os jovens nascidos após 30 de Junho de 1998 e que no ano lectivo 2017-2018 frequentem o ensino básico, secundário ou equivalente. Para mais informações consulta o regulamento.

[Voltar ao Topo]

Quais são as datas a saber? 

Consulta a secção Calendário para saberes as datas que interessam. A inscrição nas Olimpíadas é feita neste mesmo site.

[Voltar ao Topo]

Porquê participar? 

Tens muitas razões para quereres participar. É uma excelente oportunidade para consolidares os teus conhecimentos, desenvolveres o teu espírito de raciocínio e uma boa maneira de encontrares colegas que partilham os teus interesses e quem sabe fazer novas amizades.

É também algo que no futuro poderás referir no teu curriculum e uma oportunidade única de participar num evento de caracter internacional, sentindo um verdadeiro espírito de competição.

E claro, tens sempre os prémios atribuídos, a possibilidade de participar um estágio dedicado a métodos de resolução de problemas e a possibilidade ter a honra de ir a Tsukuba representar Portugal nas Olimpíadas Internacionais de Informática.

[Voltar ao Topo]

Como me posso treinar? 

A primeira coisa a fazer é espreitar problemas de outros anos para ficar com uma ideia mais correcta do tipo de problemas que costumam sair. Para além disso, o site proporciona-te a oportunidade de usar o sistema Mooshak para realmente tentar resolver esses mesmos problemas precisamente no mesmo sistema que será usado para avaliação.

Podes também consultar a secção social para procurares tirar as tuas dúvidas, tentar receber ajuda sobre como resolver os problemas, sobre como te preparares ou simplesmente para conversar sobre as Olimpíadas.

A secção de ligações tem também alguns sites que aconselhamos vivamente a visitar.

[Voltar ao Topo]